Acidente Vascular Cerebral

O AVC (Acidente Vascular Cerebral) resulta da restrição de irrigação sanguínea ao cérebro.

As lesões na cabeça e no pescoço podem aumentar o risco de acidente vascular cerebral em pacientes com trauma com menos do que 50 anos

Sofrer uma lesão na cabeça ou no pescoço aumenta três vezes o risco de acidente vascular cerebral isquémico em pacientes com traumas com menos 50 anos, de acordo com a pesquisa apresentada na Conferência de Acidente Vascular Cerebral Internacional de 2014 da Associação de Acidentes Vasculares Cerebrais Americana.

“Estes resultados são importantes porque os acidentes vasculares cerebrais após trauma podem ser evitáveis”, disse a Dra. Christine Fox, autora e professora assistente de neurologia na Universidade da Califórnia em São Francisco.

Os investigadores estudaram os registos de saúde de 1,3 milhões de pacientes com menos de 50 anos que tinham sido tratados em salas de emergência de trauma. Cerca de 11 em cada 100.000 pacientes (145) sofriam dum acidente vascular cerebral no espaço de quatro semanas. Como são atendidos mensalmente 2 milhões de pacientes em salas de trauma dos EUA, isto sugere que 214 jovens têm mensalmente um acidente vascular cerebral isquémico após um trauma.

Os investigadores também observaram que:

Uma das causas do acidente vascular cerebral após o trauma foi uma lesão na cabeça ou vasos sanguíneos no pescoço dirigidos ao cérebro, que podem ser uma fonte de formação de coágulos sanguíneos que causam um acidente vascular cerebral. Se a lesão nestas artérias poder ser diagnosticada no momento do traumatismo, o paciente pode ser tratado com um medicamento anticoagulante para ajudar a prevenir o acidente vascular cerebral. No estudo, foram diagnosticadas 10 por cento das pessoas, que tiveram um acidente vascular cerebral, com este tipo de lesão, mas nem todos os pacientes foram diagnosticados com esta lesão antes do acidente vascular cerebral.

A taxa de incidência de acidente vascular cerebral em pacientes com traumas encontrada neste estudo foi determinada utilizando uma perspetiva bastante ampla da definição de trauma. Um dos próximos passos do estudo será o de medir a incidência do acidente vascular cerebral após diferentes tipos de trauma (como colisões de automóveis) e lesões (como fraturas vertebrais), a fim de determinar quem poderia estar em maior risco de acidente vascular cerebral, disse Fox.