Acidente Vascular Cerebral

O AVC (Acidente Vascular Cerebral) resulta da restrição de irrigação sanguínea ao cérebro.

Acidente Vascular Cerebral e AIT recorrente

A ocorrência de um acidente vascular cerebral aumenta o risco dum acidente vascular cerebral subsequente em até 10 vezes.

O risco de acidente vascular cerebral recorrente é maior durante os primeiros 6 meses após um acidente vascular cerebral agudo (Quadro Abaixo). As causas mais comuns de acidente vascular cerebral recorrente incluem o tabagismo, a hipertensão, a diabetes, as doenças cardíacas tais como o EM, as doenças reumatológicas auto-imunes e a homocisteinémia. Os acidentes vasculares cerebrais silenciosos da substância branca observados na TAC são mais comuns nos fumadores e em pessoas com hipertensão mal controlada ou diabetes, e esses doentes devem ser considerados como de alto risco para um acidente vascular cerebral clinicamente significativo. Os doentes que tiveram um acidente vascular cerebral prévio têm uma probabilidade 4 vezes maior de terem outro acidente vascular cerebral após um EM agudo.

Risco de acidente vascular cerebral recorrente

Os AITs são precursores do acidente vascular cerebral, tendo um risco de acidente vascular cerebral de 8% no primeiro mês após o primeiro sinal de alerta; o risco sobe para 13% durante o primeiro ano. Nos doentes com uma estenose carotídea superior a 70%, a taxa de acidente vascular cerebral aumenta para mais de 40% em 2 anos. Estima-se que 35% das pessoas com um AIT irão ter um acidente vascular cerebral dentro de 5 anos. Os AITs são considerados mais perigosos se apresentarem um padrão em crescendo.

A etiologia dos AITs ou dos acidentes vasculares cerebrais recorrentes pode ser determinada pelo seu padrão — bilateral, no mesmo ou noutro território vascular, sintomas estereotipados, doença de pequenos vasos versus doença de grandes vasos, arritmia cardíaca concomitante ou doença valvular e uma história de trombose venosa periférica.